domingo, julho 05, 2009

9 de Abril

Lá estava ela, com seus pequeninos pés no banco enquanto me esperava, ao me avistar, levantou-se e me cumprimentou, a abracei e percebi que meus braços tinham sido feitos justamente para envolvê-la, assim como o seu corpo pequeno também fora feito para aninhar-se ao meu.

Eu estava tenso, principalmente porque era uma pessoa metódica, tudo na minha vida seguia uma regra, um plano, era chato, mas na maioria das vezes dava certo, mas com ela não deu de primeira, pensava em como me aproximar, mas como pensar nisso se ao mesmo tempo eu tinha também que pensar no que dizer e onde por as mãos, em disfarçar os meus olhares, em tentar não gaguejar?

Era uma quinta-feira, véspera de feriado e a primeira vez que nos víamos, eu a levava até sua casa e continuava pensando, será que ainda havia chances¿ felizmente não perdi a única oportunidade que ainda parecia existir, ao despedir-me, antes de partir falei que precisava lhe dizer algo e entrei no prédio, na verdade o que eu tinha pra dizer não precisava de palavras, mas diante de seu olhar curioso por trás dos óculos falei:
- Fecha a porta... Por causa do sol.

Assim ela o fez me aproximei e a encostei na parede, colei seu corpo ao meu, aproximei-me de seu rosto a ponto de poder escutar sua respiração e beijei-lhe os lábios doces.

- Sobe! – disse ela em seguida.