quinta-feira, janeiro 21, 2010

TREM FANTASMA


Ao redor, havia palhaços, crianças choronas, casais de namorados, barraquinhas de cachorro quente e algodão doce, como num parque de diversões. O trem estava distante, mas mesmo assim, era possivel ouvir os gritinhos daqueles que se aventuravam entre as voltas, no sobe e desce da montanha Russa. Mal podia esperar a sua vez, e escutar aquela explosão desesperada invadir seus ouvidos. A principio era só brincadeira, e ele sabia disso, queria tocar a mão da garota ao seu lado por alguns minutos, antes de entrarem num misto de adrenalina e prazer. Porém, aos poucos, ela já o envolvia em turbilhões de anseios, pra depois, se distanciar. O confundia. E não ter o controle da situação, o nauseava. Gostava de dominar. Até pensava em jogar o bilhete fora ou voltar mais tarde. Afinal, era apenas diversão... Não era? Então porque o peito pesado, o coração batendo forte e a secura na boca?

De longe vinha o trem, era o próximo. Olhou em volta. Cade ela?