domingo, dezembro 26, 2010

SESSÃO DE CINEMA

As mulheres, na tela prateada resumiram-se a preto e branco, quando surgiu naquela sessão uma mocinha entre dezesseis e dezessete anos de idade, que com sua beleza roubou a cena que lhes pertencia e desviou a atenção dos espectadores para seus lábios coloridos, convidativos a um beijo semelhante aos de Hollywood.

Os rapazes que por lá estavam com suas pequenas, namorando ou cabulando aula, devoravam vorazmente a ninfeta que acabara de chegar, lançando em sua direção olhares selvagens e maliciosos. Abençoavam interiormente a escuridão da sala que impedia suas garotas de os pegarem metendo o bedelho no corpo de outra fêmea. Entretanto, as mesmas também observavam atentamente a dita cuja, na procura de algum defeito, outras experimentavam uma ambígua sensação ao admirar as longas pernas sustentadas pelas coxas delgadas da jovem.

Já a desconhecida que causara tanto burburinho, desfilava em meio ao breu na busca de um assento, tropeçava em pés alheios, derrubava pipoca no carpete ou um gole de Coca-Cola em sua camiseta. Às vezes seus olhos cor de mel cruzavam com os de alguém e ela, ciente de sua exuberância colocava os cabelos compridos atrás da orelha, num gesto de extrema feminilidade.

Ao acomodar-se rente a tela, acometeu-se de inveja da historieta projetada a sua frente, sentiu-se ridícula por saber que se tratava de pura fantasia, mas que dama não desejaria um bichano, jóias e um amor para a vida inteira?

Prometeu a si mesma que um dia viveria em NY como Audrey Hepburn naquele filme famoso, e arranjaria-se com um escritor que lhe recitasse poemas em picnics no Central Park. Porém, antes de tudo precisava passar de ano, ameaçava levar bomba na escola novamente.

Quando as luzes acenderam-se, dirigiu-se para a saída limpando com a língua discretamente os restos de pipoca que por ventura estivessem no aparelho dentário, enquanto isso, uma multidão se voltava para prestigiar cada passo seu, convertido num único espetáculo, em que a estrela era toda a sensualidade que aquela Menina-Mulher carregava sob o salto alto.