domingo, dezembro 04, 2011

A DESTRUIÇÃO DE SODOMA


Lot, que estava assentado à porta da cidade, ao ver os andarilhos, um com grandes olhos da cor do céu e outro, cujos cachos negros contrastavam com as areias áridas das vestes sujas e esfarrapadas que vestiam, levantou-se e foi ao encontro dos rapazes:

- Olá jovens, vos convido a passarem uma noite em minha casa. Amanhã bem cedo podem prosseguir viagem.

- Não, ficaremos na praça e assim que amanhecer, seguiremos nosso caminho – Disse o sujeito dos olhos azuis.

- Eu devo insistir, esse é um lugar perigoso, principalmente para viajantes.

- Muito gratos, meu senhor, mas dormiremos por aqui mesmo

- Assim vocês irão colocar a vida em risco, estou avisando.

- Já fomos alertados quanto à hospitalidade de seu povo, nada pode nos acontecer. Obrigado.

- Não estão entendendo...

- Estamos chamando atenção. Vamos para a casa deste senhor, passaremos a noite lá, Samuel. – Disse o outro, observando as pessoas ao redor que agora prestavam atenção neles.

Na casa de Lot, os forasteiros foram recebidos com um suntuoso banquete, vinho e pães sem fermento. O velho separou algumas roupas para eles que não couberam já que os rapazes eram muito mais altos e com ombros bem mais largos do que o simpático anfitrião. Encabulado este se desculpou e os encaminhou para um quarto vazio, a fim de que pudessem dormir. No caminho, o velho ouviu batidas na porta e ao abrir, deu-se conta de que todos os homens da cidade encontravam-se ali:

- Onde estão os estrangeiros que trouxe para cá? – Perguntou a massa

- Por favor, não façam mal a eles.

– Nos leve a eles.

- Entrego o que tenho de mais precioso na minha vida, mas não lhes façam perversidade alguma. Fui eu quem os convidou para passar uma noite aqui, eu os acolhi, estão sob o meu teto.

O bando não retornou diante das súplicas de Lot e o empurraram. Quando estavam prestes a matá-lo com suas foices erguidas, Samuel o salvou da multidão enfurecida, e junto ao companheiro emitiu um brilho mil vezes mais poderoso que todas as estrelas do cosmos reunidas, incluindo o próprio sol e cegou os agressores.

Os estranhos viajantes levantaram Lot do chão, o sentaram numa cadeira e depositaram em suas mãos trêmulas um copo de vinho. Depois, Samuel ajoelhou-se diante do velho, afastando sua extensa cabeleira loira para que pudesse encará-lo e disse:

- Se quer sobreviver pegue sua família e fuja daqui, e em hipótese alguma, olhe para trás.

- O que vai acontecer? – Perguntou Lot assustado – O que são vocês? O que vão fazer?

- Vamos destruir esse lugar – Respondeu Uriel.

Em seguida, sem dar a mínima atenção para a multidão de homens flagelados pela cegueira, que agarravam seus calcanhares implorando por perdão, os dois anjos saíram pela porta para iniciar sua obra.