sexta-feira, janeiro 08, 2016

Gregório

Gosto de dias frios, principalmente, nublados, o que é raro numa cidade como essa. Prefiro o meu café com leite morno e poucas situações são mais irritantes do que ter de esperar a comida atingir à temperatura ambiente para poder desfrutá-la.
            Fiz jornalismo nutrido por ambições literárias que deixo um pouco para trás cada vez que consulto o saldo bancário. Costumo passar boa parte do meu tempo livre debruçado em livros, já que sou um fracasso social e exceto pelo seleto grupo de amigos não costumo me sentir a vontade entre as pessoas por muito tempo. Como um apreciador de silêncios e leituras, as bibliotecas são os meus lugares favoritos. Longe delas, é fácil me encontrar com fones de ouvido vazando rock clássico e pós-punk.
            Pensei em casar e ter filhos com a minha primeira namorada, mesmo que eu não suporte crianças ao meu redor. Não sou mulherengo, mas gosto da sedução e sou atraído, na maioria das vezes, por conversas capazes de aguçar a minha curiosidade. Admiro mulheres independentes e de personalidade, que tenham algo a dizer. Desde Júlia nunca mais me apaixonei, talvez ela tenha ficado com algo meu que levará tempo para ser reconstruído dentro de mim ou não, eu mesmo não esteja interessado nessa reforma.
Acordo com uma desesperadora nuvem negra em cima quando as coisas dão errado. Fui mandado embora uma vez. Depois de mim soube que foi a máquina de café, o que na ocasião não me deixou tão mal, mas foi o suficiente para me manter na cama, soturno e com a barba por fazer, até a próxima entrevista de emprego.
            Não sei dirigir, nem andar de bicicleta e sinceramente, estou mais preocupado se devo ou não emendar um mestrado, do que comprar uma ou me inscrever na auto escola. Pratico a gentileza porque acho que o mundo já é indiscriminadamente cruel o suficiente com as pessoas. Talvez nisso Ele seja justo.