quinta-feira, setembro 22, 2016

A Perfeita Oposição

Olho para você e encaro o reflexo invertido de mim. Há nos seus gestos espontâneos uma oposição a minha introspecção, imperceptível para colegas e conhecidos, mas não para você, que como eu, é capaz de se reconhecer nas contradições que representamos.

Inicialmente, a nossa infinita lista delas, como a sua lasciva e verborragia, bem como a flexibilidade com normas e regras em comparação a minha rigidez, me assustavam, me repeliam. Embora em meu íntimo também me atraíssem. Eu sentia na pele, como eletricidade, uma ansiosa curiosidade. Contra isso, tentei permanecer distante, ciente de que do contrário eu me dobraria a sua insaciável sede de liberdade e busca pelos prazeres mais hedonistas. Um estilo de vida incompatível com a minha personalidade materialista e reservada.

Portanto, quando você me pergunta sobre o que estou prestes a dizer quando encaro os seus nipônicos olhos rasgados por trás dos óculos de grau só há uma resposta. Me encerro em mim mesmo diante do desejo que eu sinto efervescente, a flor da pele, quando você, minha perfeita oposição, me cerca.